Betty e Lou

Facebooktwittergoogle_pluslinkedinrssyoutube

Para ler ouvindo Betty e Lou – Roupa Nova

Mas, gente… Ando numa vibe tão “Betty-Lou”. Sabem aquela do Roupa Nova (vejam bem como estou démodé): Betty só depois do casamento, Lou me ama até no elevador?! Não. Não tem nada a ver com mudança de opção sexual. Imaginem ai um Fulano como Betty e um Beltrano como Lou, por falta de uma canção masculina que retrate tão bem este momento.

Era uma vez (Rá, inverti a narrativa), um sujeito gente boa, família, apaixonado, companheiro, guerreiro sempre disponível a enfrentar qualquer batalha com você e por você. Em quem você não só se apoia e conforta, como pede a todos os anjos, santos e o próprio Deus para se apaixonar perdidamente, mas não consegue.

Do outro lado do ringue, o cara que te faz rir. Sei lá de quê. Até de desastre de trem. Mal você balbucia uma resposta e lá vem ele traduzindo em três idiomas exatamente aquilo que se espera, que se sente, que se pensa. Ah, esse dom de transformar em pequena qualquer grande tsunami! Mas como herança tantas complicações… Que é melhor afastar pensamento e nem se jogar neste sofá!

Me poupe dos comentários: Mulher só gosta de homem canalha e Mulher gosta de apanhar. Esse não é, nem jamais foi meu caso. Simplesmente é uma questão de química e momentos diferentes da caminhada. Fulano é muito mais disponível no sentido ter menos compromissos na vida e, é justamente esta inexperiência que tira dele o efeito “surpresa”. Ah, como eu gosto de KinderOvo!



Olha como são as coisas, né?! A incrível sociedade monogâmica ocidental diz que você não pode ter o melhor dos dois mundos. E como já se tem compromisso com Betty, melhor rir da Lou, mas sem olhar em seus olhos. Vai que te entrega?! Vai que teu olhar diz “Vem que estou te esperando?!”

Na real, nem estou esperando. Sei onde está “a fria” dos dois lados e nestes lados, me mantenho quentinha ao lado de Betty. Ou então, chama ai o rei Salomão e gritem: Vamos dividir esta insana ao meio. Quem abrir mão será o dono do coração da donzela…

Donzela?

Oh, produção, não tem jeito melhor de determinar isso aqui, não?!

The following two tabs change content below.
Sim ou não, dia ou noite , claro ou escuro… Sou Libra de raiz, sou forte e sou fraca quando quero… E quero o mundo! Quase virando balzquiana, sem nenhum medo de envelhecer. Falar de mim mesma é exatamente o que me mantém presa à internet… Isso aqui é meu porto seguro! Engraçada na medida certa, sensível, leal, apreciadora de literatura, inglês, cinema. Louca por series americanas e chopp gelado… Minha língua é terrível quando eu quero. Mas,é claro, isso é só um detalhe.

Latest posts by Dani Antunes (see all)

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *