A boa filha a casa torna.

Facebooktwittergoogle_pluslinkedinrssyoutube

Lá em maio de 2008 eu tive a ideia de fazer um blog voltado ao universo feminino. A ideia era simples: 5 mulheres, uma para cada dia da semana, ia chegar aqui e compartilhar conosco suas impressões sobre a vida de uma mulher dentro de seu cotidiano. Tivemos algumas formações; umas demoraram anos para se dissolver, e outras, nem tanto, mas todas as Mulheres que por aqui já passaram são dotadas de uma inteligência e um humor peculiares – e esse, eu sei, sempre foi nosso diferencial.

Uma dessas pessoas é dona Alê Barros. Eu conheço a Alê pra lá de 10 anos, quando ela tinha esse blog aqui. Há uns 3 anos conseguimos finalmente nos encontrar pessoalmente e sentir na pele o que já sabíamos: nossa amizade é e sempre foi de verdade, bem como o amor e o carinho que sentimos uma pela outra. Coisa de alma mesmo, que nem mesmo  a gente sabe explicar. 🙂

ale-e-eu

Alê é dona de um humor maravilhoso, e tem o dom de escrever brilhantemente, tanto em prosa quanto em poesia. Nessa nova formação/fase, teremos algumas divisões aqui e vocês vão vendo conforme formos escrevendo ( agora religiosamente dia sim, dia não, com o fds de folga pq merecemos! rs).

Enfim… Como ela está numa fase fit maravilhosa e vive compartilhando seus causos no Facebook desde que extinguiu o antigo Caraminholas (May it rest in peace! <3) ainda com seu humor peculiar, pedi a ela que trouxesse para o blog as desventuras na vida de academia, o que se passa nesse universo, o quão é complicado passar por esse período de transição de dieta, o quão delicioso é ficar lindamente maravilhosa como ela… enfim, a lista é enorme, e a organização fica a critério dela!

Alê, amiga, seja muito bem vinda de volta! Que você seja feliz aqui de novo, e na vida. Fico feliz demais de ter você de novo aqui! 😉

O próximo post, obviamente, é dela. Mas, quem quiser ler mais, pode ir atrás da página dela no Facebook, a Quatropontocinco! :*

Ser mulher dá trabalho, professor!

Facebooktwittergoogle_pluslinkedinrssyoutube

Uma coisa não se pode negar: além do apelo comercial, no Dia Internacional da Mulher os temas relacionados ao universo feminino ganham foco. Das redes sociais às grandes rodas, o que não faltam são discussões. E nas salas de aula não seria diferente.

Um professor citou o seguinte caso: um cara teria ficado dez anos sem trabalhar, sendo sustentado por todo esse tempo pela esposa, e no divórcio estaria pleiteando uma pensão alimentícia. “É um safado e merece uma surra”, gritei da minha carteira, esquecendo, por um breve momento, que estava ali para aprender a respeitar e empregar as normas brasileiras.

O tema foi motivo de discussão. Os colegas, talvez para irritarem um pouco as mulheres presentes, falaram em direitos iguais. “Muitas mulheres passam anos casadas, não trabalham, herdam e ainda têm direito a pensão. Por que com o homem seria diferente?”

É QUE SER MULHER JÁ DÁ TRABALHO, PROFESSOR!

As responsabilidades mais simples, porém mais importantes, acabam sendo nossas. Casa, marido, filhos, pais e carreira profissional com paciência e dedicação, com um sorriso nos lábios e as unhas bem feitas, para que o marido não a chame de desleixada. Não é fácil e a gente consegue, sem reclamar, encarando como obrigação mesmo. Uma auto-exigência que se tornou comum para a grande maioria das mulheres. Ou alguém vai dizer o contrário?

E nessa corrida diária pela “excelência dos serviços prestados”, precisamos ainda ficar atentas à tênue diferença entre ser sensual e ser vulgar. Toda e qualquer extravagância pode arruinar para sempre a reputação de uma fêmea de qualquer idade e classe social. E já que toquei nesse assunto, devo comentar que achei de muita elegância o Programa As Brasileiras com a musa Ivete Sangalo, veiculado na grande data. Com um texto leve e bem humorado, e nenhuma cena de apelação sexual, a Rede Globo passou a mensagem de que para ter audiência, em todos os sentidos, basta ter bom humor e elegância. Será que as mulheres-fruta e panicats entenderam o recado?

 

Esse post tudo de bom é da minha querida amiga Manu Berbert.
Manu, além de linda, é jornalista baiana arretada e tudo de bom.
Pra ler mais do que essa linda escreve e se encantar, clica aqui.

1 2 3